Entende-se por estratégia a Acção ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objectivo ou meta. São várias as estratégias que podem ser usadas com alunos que tem PHDA.

São várias as estratégias que necessitam de ser implementadas dentro da sala de aula das quais se destacam:

Adaptações no ambiente da aprendizagem

–   O aluno não deve ser sentado perto da janela visto que pode ser um factor distractor.

–   O aluno deve ser sentado de forma a ter boa visibilidade para o quadro.

–   Devem ser eliminados todos os factores de distracção para o aluno e o ambiente que o rodeia deve ser organizado.

-Proporcionar, se possível, um canto em que o aluno possa trabalhar individualmente ou realizar actividades diferentes como actividades artísticas.

-A rotina diária deve ser bem estruturada. As tarefas têm que ser realizadas de forma rotineira.

-As regras devem ser bem claras e o seu cumprimento exigido.

-Devem ser construídas listas de verificação para que o aluno se organize (Exemplo: lista de verificação de trabalhos de casa).

Adaptações para obter a atenção dos alunos

-Promover aulas diversificadas através de contos de histórias, jogos lúdicos, retroprojector, televisão, situações-problema, cartazes, powerpoints, canções, entre outros. Ser criativo e inovador.

-Chamar a atenção através do tom de voz, gestos visuais ou determinados objectos como uma campainha.

-Utilizar o contacto visual.

-Usar materiais coloridos para despertar a atenção

Adaptações para focar a atenção dos alunos

-Empregar estratégias multi-sensoriais quando falar para os alunos.

-Projectar a voz.

-Caso seja uma aula expositiva, colocar o aluno mais perto do quadro.

-Utilizar material visual e escrever as palavras-chave enquanto se desenrola a aula de forma a construir um esquema visual.

-Ilustrar à medida que se explica a matéria.

-Levar os alunos a escrever pequenas notas ou ilustrações sobre aspectos-chave da aula.

Adaptações no ritmo de trabalho

-Ajustar o ritmo da aula à capacidade de compreensão do aluno.

-Alternar actividades paradas com actividades mais activas.

-Conceder mais tempo para completar as tarefas.

-Reduzir a quantidade e a extensão do trabalho e dos testes apostando na qualidade e não na quantidade.

-Espaçar pequenos períodos de trabalho com paragens ou mudança de tarefa.

-Estabelecer limites para terminar as tarefas.

-Estabelecer contratos escritos com prémios para a finalização de determinadas tarefas.

Adaptações para manter a atenção dos alunos

-Mover-se pela sala para ter boa visibilidade.

-Organizar a matéria de forma temática permitindo que se estabeleçam ligações entre os diferentes aspectos (articulação entre várias áreas).

-Apresentar a matéria a ensinar de uma forma dinâmica e a um ritmo ligeiro, evitando momentos parados na aula.

-Permitir que os alunos falem e não se limitem a ouvir (por exemplo através da promoção de debates), reduzindo ao máximo possível o tempo que o professor passa a falar.

-Estruturar a aula de forma a se promova o trabalho cooperativo.

-Usar o computador, sempre que disponível, para desenvolver determinadas competências. O computador pode ser uma ferramenta muito apelativa.

Adaptações nos métodos de ensino

-Fazer um resumo da lição antes do início.

-Relacionar a informação nova com a experiência da criança.

-Estabelecer tarefas de conclusão rápida (inicialmente), começando a aumentar gradualmente a complexidade e duração das mesmas. Compartimentar as tarefas complexas em tarefas mais pequenas.

-Exemplificar de forma concreta antes de seguir para o abstracto.

-Reduzir o número de conceitos apresentados de uma vez.

-Levar os alunos a verbalizar as instruções e os conteúdos aprendidos.

-Complementar as instruções orais com instruções escritas.

-Promover a prática de exercícios físicos, pois ajuda a “libertar” o excesso de energia, contribuí para o aumento da capacidade de concentração, além de ser divertido. Alternar entre actividades mentais e actividades físicas.

Adaptações nas estratégias

-Evitar o uso de linguagem abstracta (metáforas ou trocadilhos).

-Destacar a informação importante.

-Utilizar frases curtas e reduzidas ao essencial do tema em estudo.

-Chamar a atenção do aluno antes de ensinar aspectos chave.

-Familiarizar o aluno com o novo vocabulário (por exemplo através de dicionários temáticos/visuais).

-Evitar que seja necessário copiar muita informação para o caderno.

-Usar fichas de aplicação bem organizadas e concisas.

-Dar pistas/dicas ao aluno na realização de trabalhos.

-Evitar pressionar demasiado o aluno para se despachar ou fazer os trabalhos de forma correcta.

-Incentivar/Ensinar o aluno a organizar-se (exemplo: ensinar o aluno a organizar o seu caderno diário/capa).

-Os trabalhos de casa devem ser apenas para revisão da matéria leccionadas na aula respeitando as estruturas de exercícios já trabalhados.

-A correcção do trabalho de casa deve ser seguida de um reforço positivo/negativo dando-se mais importância ao esforço do que ao resultado obtido.

Adaptações para manter os alunos em actividade

-Promover na turma um ambiente mais cooperativo e menos competitivo, Utilizando ao máximo possível as estratégias de aprendizagem cooperativa.Usar o trabalho de grupo de forma adequada, não apenas trabalhar em grupo. As crianças com DDAH têm dificuldade em integrar-se em grupos mal estruturados em que os papéis não estão bem definidos.

-Ter a certeza de que todos os alunos compreendem o trabalho que têm de realizar antes de os pôr a trabalhar individualmente.

-Nomear um colega para acompanhar o aluno verificando se este compreendeu as tarefas.  Dar, para trabalho individual aos alunos, o tipo de trabalho que sabemos que eles serão capazes de completar.

-Providenciar outro trabalho de fácil execução no caso de o aluno ter de esperar pela ajuda do professor.

-Permitir que os alunos sem dificuldades ajudem outros alunos enquanto o professor está ocupado com um determinado grupo.

-Permitir que os colegas leiam para o aluno as informações mais importantes.

-Permitir que os colegas incentivem o aluno a permanecer na tarefa (de forma mútua).

-Ter sinais que os alunos podem usar para sinalizar o professor de que precisam de ajuda.

-Verificar com frequência o ritmo de trabalho e fazer comentários positivos com frequência e elogiar os alunos.

-Estabelecer um sistema de prémios, em que os alunos recebem um determinado brinde se atingirem um objectivo previamente definido.

-Dar um feedback construtivo com frequência.

Adaptações na avaliação

-Elaborar instrumentos de avaliação alternativos (apresentação oral, resposta múltipla, etc.)

-Estabelecer, de comum acordo, expectativas realistas quanto aos resultados a alcançar.

-Aceitar respostas com as palavras-chave apenas.

-Procurar fomentar a comunicação Pais/Escola, não apenas duma forma reactiva, após a ocorrência de dificuldades, mas sim duma forma construtiva e preventiva responsabilizando/envolvendo também a família pela educação do aluno de forma participativa.

-Dialogar com a família no sentido de encontrar um membro que possa acompanhar o aluno nas tarefas escolares.

-Comunicar os progressos à família

Adaptações no tratamento de comportamentos inadequados

-As regras devem ser negociadas e afixadas em local visível.

-Antecipar e prevenir os problemas, sempre que possível.

-Estabelecer regras/consequências claras.

-Evitar uma linguagem de confronto.

-Estabelecer alternativas para comportamentos inadequados.

-Elogiar generosamente os comportamentos adequados.

-Ignorar comportamentos. Alguns comportamentos perderão o impacto se forem ignorados.

-Evitar, tanto quanto possível, dar atenção a comportamentos inadequados iniciados apenas com esse objectivo.

-Evitar criticar o aluno.

-Verificar os níveis de tolerância e ser compreensivo perante sinais de frustração.

-Falar em privado com o aluno acerca dos seus comportamentos inapropriados.

-Remover objectos que possam iniciar um comportamento indesejado.

-Reagir com humor em momentos de tensão para a aliviar.

Adaptações no tratamento de comportamentos adequados

-Premiar o aluno através de autocolantes, certificados, cartões ou gráfico de pontos.

-Reforçar o bom comportamento.

Obras Consultadas:

Nielsen, B. N.(1999). Necessidades Educativas Especiais na Sala de Aula, Um Guia Para Professores, 3, Colecção Educação Especial, Porto Editora.

Sites Consultados:

Desordem por Défice de Atenção com Hiperactividade (DDAH). Disponível em http://ddah.planetaclix.pt/ddah_escola.htm [consultado em 13/01/2010]

À Conversa com PaisEstratégias para crianças com défice de atenção. Disponível em http://aconversacompais.blogspot.com/2008/03/estratgias-para-crianas-com-dfice-de.html [consultado em 13/01/2010]

Attention Deficit Disorder: What Teachers should know. Disponível em http://user.cybrzn.com/kenyonck/add/doe_tch.htm. [consultado em 13/01/2010]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s